Documents

nn

Description
nnn
Categories
Published
of 4
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Share
Transcript
   Apresentação oral de Português, 23 de Outubro  Á noite, na cidade de Lisboa, um repórter mostra partes da cidade citando: “E, enorme, nesta massa irregular/ De prédios sepulcrais, com dimensões de montes, / A Dor humana busca os amplos horizontes,/ E tem marés, de fel, como um sinistro mar!” (o repórter vista um guarda e segue em sua direção) Repórter:   Boa noite, em direto da ……… . Como são as suas condições de vida neste século que nos encontramos, o século XIX? Guarda:  Antes de mais nada, boa noite. Dou-me a conhecer como guarda nacional de Lisboa, com muito orgulho. Posso dizer que a minha vida não é muito fácil, a minha função limita-se a manter a ordem pública ao máximo, assim como não deixar a confusão instalar-se nas ruas, o que acontece frequentemente com recurso à violência. Repórter:  Á violência? Tem que ser assim tao drástico e impulsivo? Guarda:  Oh meu senhor(a), não conhece esta gente do povo na cidade pois não? São selvagens, MARGINAIS! Basta olhar para o lado e vê-se logo o imoral a roubar fruta à Sra. Constança. É necessário manter a ordem desde as crianças, mulheres até aos idosos, vão todos parar a prisão da mesma forma. Repórter:  E com a classe alta? Também precisam de tais intervenções? Guarda:  AH isso já não me diz respeito, com a classe alta não tenho poder, a política não me permite. Têm dinheiro e com eles ninguém se queixa. (Ouve-se um grito, o guarda e o repórter dirigem-se a srcem do som, onde se encontra uma imoral e um pobre bêbado, deitado no chão)  Imoral: Valha- me Deus, este pobre homem estava a vir na minha direção e de repente puf! Cai redondo no chão. Guarda:  Não se preocupem trato já disto. (o guarda pega num bastão e bate no bêbado) Guarda:  Levante seu infeliz! As tabernas estão quase a ver a luz do dia. (o bêbedo levanta-se meio tonto e o repórter dirige-se a ele) Repórter: Desculpe, posso fazer-lhe umas perguntas? Bêbado:   Sim, Sim…   Repórter:  Como são as suas condições de vida? Bêbado:   Ui…muito más. Sou tratado abaixo de cão!  Ninguém merece esta vida. Passei a minha vida toda a trabalhar, havendo dias que nem a luz do dia via, para depois me pagarem um salário irrisório e acabar manco de uma perna? Essa gente rica gosta é de nos humilhar. Agora encontro-me desempregado, depois de dez trabalhos não estáveis. (tonto e dirigindo-se ao repórter)  Olhe meu amigo, um conselho de bêbedo, precisamos é de estabilidade, rotinas! Encontro no álcool a solução para os meus dias! (com a garrafa que tem na mão, brinda e bebe, rindo no final) BEBER PARA ESQUECER! AHAHAH Imoral: (sussurrando): valha me deus, pobre ho …   Repórter: O que o senhor tem a dizer sobre a classe alta? Bêbado: Desses ladrões? Esses merecem a vida menos que eu, não trabalharam metade do que eu trabalhei e no entanto comem sardinha todos os santos dias… (bebe mais um copo)  (repórter dirige-se agora a imoral) Repórter:   Se a senhora se importar…   (a imoral interrompe o repórter). Imoral : Desculpe, mas só burgueses tem possibilidade de pagar.  Repórter:  Não minha senhora, não fiz-me entender, queria questiona-la sobre as suas condições de vida. Imoral:  AH! Sendo assim não vejo mal. Bem, não me posso queixar, pagam-me bem e vou a festas. As vezes sou tratada como uma rainha, outras… outras sou tratada como uma desgraçada. Mas a verdade é que tudo vem aqui parar. Repórter:  Costuma ir a muitas festas? Imoral:  Não posso dizer muitas, porque se fossem não estava aqui hoje, mas sim, costumo ir a algumas. Os senhores de alta classe são muitas vezes convidados para festas de luxo, e nunca levam as suas mulheres. (ri-se)  Preferem levar as suas amantes ou até mesmo prostitutas. Quando o trabalho é bom, não há como nega-lo. Repórter:  Se não for incomodo, posso perguntar-lhe o porquê de exercer esta profissão? Imoral:  Nesta época as condições dos trabalhadores fabris são lastimáveis. Não há proteção de uma legislação específica, as mulheres que trabalham nesses serviços ganham muito menos do que eu estou a ganhar agora e como bónus ainda são assediadas durante o trabalho. Oh menos se quiserem agora tem que pagar… É uma opção de vida, oh menos não ando bêbada prai…   (o repórter dirige-se ao guarda, ao bêbado e á imoral) Repórter:  Muito obrigada pela vossa participação. Daqui (nome do repórter) em condições de vida dos diversos habitantes, na cidade no século XIX. Boa noite! Zé (bêbado) Marcelo(imoral) Daniela(guarda)   
Search
Tags
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks