Magazine

Epigramas de Calímaco - Bilíngue (Grego-Português)

Description
Epigramas deCALÍ MA COEDIÇÃO BILÍNGUEKαλλιμάχου ÉπιγράμματαTradução, introdução e notas C L Á S S I C AGuilherme Gontijo FloresEpigramas…
Categories
Published
of 18
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Share
Transcript
Epigramas deCALÍ MA COEDIÇÃO BILÍNGUEKαλλιμάχου ÉπιγράμματαTradução, introdução e notas C L Á S S I C AGuilherme Gontijo FloresEpigramas deCALÍ MA COEDIÇ ÃO BILÍNGUEΚαλλιμάχου ÉπιγράμματαTradução, introdução e notas C L Á S S I C AGuilherme Gontijo FloresCopyright da tradução © 2019 Guilherme Gontijo Flores Copyright © 2019 Autêntica EditoraTodos os direitos reservados pela Autêntica Editora. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida, seja por meios mecânicos, eletrônicos, seja via cópia xerográfica, sem a autorização prévia da Editora. Título original: Καλλιμάχου Éπιγράμματαcoordenador da coleção clássica, edição e preparaçãorevisãoOséias Silas FerrazLúcia Assumpção Samira Vilelaeditoras responsáveiscapaRejane Dias Cecília MartinsAlberto Bittencourt diagramaçãorevisão da traduçãoGuilherme FagundesJoão Angelo Oliva NetoDados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)Calímaco, 310-240 a.C. Epigramas de Calímaco = Καλλιμάχου Éπιγράμματα / Calímaco ; tradução, introdução e notas Guilherme Gontijo Flores ; revisão de tradução João Angelo Oliva Neto. -- 1. ed -- Belo Horizonte : Autêntica Editora, 2019. -- (Coleção Clássica) Edição bilíngue: português/grego. ISBN 978-85-513-0430-3 1. Epigramas gregos 2. Poesia grega I. Calímaco de Cirene. II. Flores, Guilherme Gontijo. III. Título. 18-20481 CDD-881Índices para catálogo sistemático: 1. Poesia grega clássica 881 Iolanda Rodrigues Biode - Bibliotecária - CRB-8/10014Belo Horizonte Rua Carlos Turner, 420 Silveira . 31140-520 Belo Horizonte . MG Tel.: (55 31) 3465 4500www.grupoautentica.com.brSão Paulo Av. Paulista, 2.073, Conjunto Nacional, Horsa I 23º andar . Conj. 2310-2312 Cerqueira César . 01311-940 . São Paulo . SP Tel.: (55 11) 3034 4468Apresentação da coleçãoA Coleção Clássica tem como objetivo publicar textos de literatura – em prosa e verso – e ensaios que, pela qualidade da escrita, aliada à importância do conteúdo, tornaram-se referência para determinado tema ou época. Assim, o conhecimento desses textos é considerado essencial para a compreensão de um momento da história e, ao mesmo tempo, a leitura é garantia de prazer. O leitor fica em dúvida se lê (ou relê) o livro porque precisa ou se precisa porque ele é prazeroso. Ou seja, o texto tornou-se “clássico”. Vários textos “clássicos” são conhecidos como uma referência, mas o acesso a eles nem sempre é fácil, pois muitos estão com suas edições esgotadas ou são inéditos no Brasil. Alguns desses textos comporão esta coleção da Autêntica Editora: livros gregos e latinos, mas também textos escritos em português, castelhano, francês, alemão, inglês e outros idiomas. As novas traduções da Coleção Clássica – assim como introduções, notas e comentários – são encomendadas a especialistas no autor ou no tema do livro. Algumas traduções antigas, de qualidade notável, serão reeditadas, com aparato crítico atual. No caso de traduções em verso, a maior parte dos textos será publicada em versão bilíngue, o original espelhado com a tradução. Não se trata de edições “acadêmicas”, embora vários de nossos colaboradores sejam professores universitários. Os livros são destinados aos leitores atentos – aqueles que sabem que a fruição de um texto demanda prazeroso esforço –, que desejam ou precisam de um texto clássico em edição acessível, bem cuidada, confiável. Nosso propósito é publicar livros dedicados ao “desocupado leitor”. Não aquele que nada faz (esse nada realiza), mas ao que, em meio a mil projetos de vida, sente a necessidade de buscar o ócio produtivo ou a produção ociosa que é a leitura, o diálogo infinito. Oséias Ferraz [coordenador da coleção]|9IntroduçãoVida e Obra Quase toda era tem alguns poetas fundamentais esquecidos. Eles estão perdidos no conjunto abstrato e suposto dos cânones, mas em geral permanecem restritos à leitura dos especialistas, o que é, noutras palavras, praticamente matar um poeta. Mesmo que se trate de um poeta erudito, aristocrático, que escrevia para uns poucos outros aristocratas eruditos seus contemporâneos; e isso porque a poesia tem a potência de se espalhar, sem que saibamos qual, como ou quando, para além do contexto inicial. Porém, como já disse, alguns poetas fundamentais ficam de fora. É o caso de Calímaco de Cirene: trata-se do poeta mais importante do período helenístico, o catalisador e organizador de tendências crescentes numa poética cada vez mais distante da poesia homérica, da lírica arcaica (Safo, Alceu, Píndaro, Arquíloco, etc.) e das tragédias clássicas (Ésquilo, Sófocles, Eurípides). Foi essa a época que, pela primeira vez na história do ocidente, parecia não ver no texto escrito apenas letra morta, mas a potencialidade de toda poética; o período helenístico é o nascimento da filologia, o amor ao discurso. E poetas como Calímaco foram, na maior parte, verdadeiros estudiosos da poesia do passado; eles analisavam o corpus atribuído a Homero, Hesíodo e outros poetas, contrastavam passagens para debater o que poderia ser espúrio, organizavam livros para a poesia arcaica de Safo e de outros segundo códigos de gêneros poéticos que eles próprios iam interpretando, preparavam léxicos para explicar as obras do passado, estabeleciam regras de gêneros segundo o estudo dessas mesmas obras, enfim, formavam um reinado do poeta doctus. É o período subsequente à morte de Alexandre, o Grande, quando a cultura helênica se espalha por quase todo o mediterrâneo, em impérios que se estendem pela Ásia e pela África, enquanto o legado da tradição grega passa a ser lido por gregos que muitas vezes nunca10 | C OL E ÇÃOC L Á S S ICApisaram na Grécia (foi o caso de Calímaco), mas que encontram nessas obras uma espécie de origem cultural; período também da poesia de Filetas de Cós (de quem nos chegaram apenas uns poucos fragmentos), de Leônidas de Tarento (outro ilustre desconhecido entre nós), e de dois poetas que ficaram mais conhecidos: Teócrito de Siracusa, com seus Idílios que fundam nossa tradição pastoral, e Apolônio de Rodes, com suas Argonáuticas, épica breve que narra a viagem de Jasão para resgatar o velocino de ouro. No entanto, foi Calímaco, que tão pouco lemos, a figura que mais espalhou sua influência, ao escrever poemas de embate crítico e proposições claras. Essa figura se tornou um centro na recepção da poesia helênica em Roma. Foi traduzido por Catulo (a “Coma de Berenice”, poema 66), citado e imitado abertamente por Virgílio, Horácio, Tibulo, Ovídio, etc. Sua influência foi tão radical que o elegíaco Sexto Propércio chegou ao ponto de se autointitular “o Calímaco Romano”. Como é de se esperar no caso de poetas antigos, sabemos pouco, quase nada, a respeito da vida de Calímaco; pior, sabemos pouco até de suas obras, que chegaram praticamente em frangalhos. As poucas informações estão na Suda (um léxico bizantino do século X, baseado provavelmente em outra obra do século VI), não completamente confiável, em alguns textos esparsos, e na própria obra do poeta. Deles, sabemos que Calímaco nasceu na cidade de Cirene, uma das mais antigas colônias gregas na costa norte da África, no final do século IV a.C.; é provável que tenha sido filho de um certo Bato – pois apresenta-se como Batíada, no epigrama XXXV – e de Megatimé (ou Mesatma) e neto de outro Calímaco, um general, a julgar pelo que temos no epigrama XXI; parece ter se casado com a filha de um certo Eufreu, ou Eufrates, mas não sabemos o nome da mulher, nem se tiveram filhos; porém sabemos que se mudou para Alexandria, no Egito, onde foi contemporâneo de dois monarcas, Ptolomeu II Filadelfo (reinado 285-247 a.C.) e Ptolomeu Evérgeta (reinado 246-221 a.C.); e é quase certo que lá ele trabalhou primeiro como professor – profissão mal remunerada – e, depois de conseguir entrar na corte, teria sido Bibliotecário de Alexandria, cargo importante da famosa Biblioteca, com acesso livre ao Museu, o que explicaria sua ampla obra filológica; por fim,I N TRO D UÇÃO| 11parece ter ganhado uma disputa contra Apolônio de Rodes, a se julgar por passagens de seus poemas Íbis e de Iambos V. É claro que uma lenda sempre cresce em torno de figuras assim. No caso de Calímaco, diz-se que teria escrito ao todo mais de 800 livros (sim, é muito, mas devemos contar como volumes; no caso de Homero, por exemplo, a obra que para nós são dois livros para um grego constaria de 48, um para cada canto), variados entre diversos gêneros de poesia (lírica, iambo, tragédia, comédia, drama satírico, elegia, hino, etc.), além de inúmeros tratados de prosa, sobre filosofia, poesia, biologia, geografia, etc.; também escreveu uma obra fundamental intitulada Pinákes (Tabelas), que constava de 120 volumes e formava uma longa lista de autores e obras que deveriam ser lidos pelas futuras gerações e constantes da Biblioteca de Alexandria, ou seja, um possível primeiro cânone ocidental, ou um paideuma (se pensarmos em termos de Ezra Pound). Alguns títulos chegaram para nós: • Aítia (Causas), poema etiológico com diversas narrativas menores acerca da origem de costumes e ritos de seu tempo, numa recusa da épica homérica, que acaba por formar uma espécie de colcha de retalhos que anuncia as Metamorfoses de Ovídio; • Íbis, um poema de ataque pessoal; • Iambos, poemas também de ataque, em geral modernamente associados à sátira (mas diversos do que chamamos sátira na Antiguidade); • seis Hinos retomando a tradição dos Hinos homéricos, ao mesmo tempo em que experimenta com os limites do gênero; • Hécale, um epílio (pequena narrativa, ou épico menor) com ênfase na história de uma velhinha, em vez dos grandes feitos dos heróis; • Epigramas, espalhados por antologias.De suas obras, só nos chegaram em bom estado os Hinos e Epigramas (estes, na verdade, recolhidos quase todos da Antologia Palatina), enquanto parte das outras, nós temos por meio de citações de autores antigos e de papiros que foram encontrados e12 | C OL E ÇÃOC L Á S S ICAinterpretados nas últimas décadas. Assim, estamos diante de uma obra em constante movimento interpretativo, tal como várias outras do mundo antigo, porque não temos nem mesmo um conceito material de obra definitiva. É assim que edito e traduzo os Epigramas calimaquianos; e, ainda mais, com um objetivo muito claro: apresentá-lo como poeta ao leitor brasileiro. Temos no Brasil alguns estudos sobre sua obra, que ficam restritos ao público dos Estudos Clássicos; também já circularam algumas traduções esparsas de epigramas, hinos e fragmentos, que podem ser vasculhadas em revistas especializadas. Em todas elas, há uma fartura de comentários históricos, literários e antropológicos que podem interessar mais ao leitor especializado. Da minha parte, optei por um mínimo de notas e uma tradução que tente recriar as sutilezas da poética calimaquiana: suas imagens, sons, suas transições inesperadas, etc.A poética do epigrama helenístico Epigrama, por sua etimologia (epi + gramma = inscriptio = inscrição), mostra a origem dessas obras: eram textos preparados originalmente para serem inscritos em pedra ou madeira e, portanto, costumavam ser encontrados em lápides funerárias, ex-votos nos templos, ou em anotações rituais. Decerto os epigramas, nessa função mais imediata de inscrição, não tinham necessariamente uma força poética marcante, o que se comprova se observarmos quantas inscrições prosaicas nos chegaram, dos mais diversos tipos, tanto gregas como romanas. Mas na Grécia algo aconteceu para que essa escrita protocolar fosse oferecendo cada vez mais atenção à linguagem: podemos pensar num grupo mais rico que encomenda, por exemplo, um texto bem acabado para colocar na tumba familiar e, por isso, escolhe um orador ou poeta para o serviço; o mesmo poderíamos dizer das tábuas dos ex-votos nos templos; e coisa similar pode ser vista nas igrejas e cemitérios do presente: o interesse estético ultrapassa o protocolo linguístico, a inscrição se anuncia também como monumento, algo feito para durar. Com o desenvolvimento da escrita na Grécia Arcaica e Clássica, o epigrama também passou a receber muito mais atenção e a permear muito mais a cultura geral do povo letrado, ocupando longas séries de túmulos, que costumavamI N TRO D UÇÃO| 13ficar nas estradas e então convidavam os viajantes a pararem para uma leitura. Do mesmo modo, num templo, haveria diversos tipos de exvotos, de tamanhos e modelos diferentes, com um trabalho conceitual cada vez mais complexo. Assim, vemos que as tumbas falam em seu próprio nome, ou é o próprio defunto quem se dirige ao possível leitor anônimo, ou mesmo uma tumba que não tem cadáver – quando se trata de naufrágio ou de guerras em que o corpo se perde. Nos epigramas vemos uma série de soluções tópicas, como apresentação da família, ou dos feitos, ou dos gostos do morto; podemos ver conversas entre dois mortos que estariam ali, ou avisos de como é o além, etc.; por outro lado, os ex-votos podem agradecer curas, casamentos, profissões, salvamentos, resgates, fim de dívidas, nascimentos, realizar novos pedidos, explicar a causa dos sofrimentos, etc. A isso, juntou-se a praxe de fazer epigramas junto de estátuas, relevos, quadros, brinquedos, etc., em que novamente o próprio objeto poderia falar ou ser descrito, poderia narrar quem o fez ou quem o encomendou, ou qual foi a causa de sua criação, etc. Por fim, e não menos importante, desenvolveu-se a prática do epigrama amoroso: pequenas mensagens de sedução ou de declaração do sofrimento, de reconhecimento do amor nos outros, como nas inscrições parietais de Pompeia ( já romanas) ou nas paredes de banheiros de toda cidade grande contemporânea. Enfim, a matéria do epigrama, se em sua origem pareceria parca, é o próprio mundo; seu limite não é o tema, mas o tamanho. Como apresentava um limite material claro, a inscrição na pedra era um trabalho caro que exigia especialização na escrita e no corte da pedra; com isso, a imensa maioria dos epigramas que conhecemos não ultrapassam oito versos, sendo que a maioria costuma ficar entre dois a seis versos. É uma poética do mínimo, poemas-minuto da Antiguidade (se comparássemos com a poesia de Oswald de Andrade). No período helenístico, essa poética parece já estar também desvinculada da realidade: era então possível escrever epigramas fictícios, que jogassem com suas possibilidades no mundo real. O que isso quer dizer? Que depois de séculos de prática constante, os gregos perceberam que gostavam de ler e ouvir epigramas, mesmo que não houvesse nenhuma biografia por trás. É nesse mundo que14 | C OL E ÇÃOC L Á S S ICAhá a explosão da escrita epigramática posteriormente compilada nos quinze volumes da Antologia Palatina (uma dentre muitas que houve, mas a que felizmente nos chegou). É nela que estão quase todos os epigramas atribuídos a Calímaco. Diante dessa metamorfose da poética e do epigrama, o que podemos esperar destes Epigramas? Jogos refinados de poética: em geral, a maior parte desses poemas nos convida a suprir o contexto, para entendermos o que eles são; poderíamos até encará-los como pequenos enigmas, em que os possíveis sentidos da interpretação só podem ser apontados depois que uma primeira interpretação sugere seus contextos. É o caso do epigrama XLVIII, em que uma máscara de Dioniso nos fala, como objeto dedicado a uma escola de teatro: ela tem sua boca aberta apenas por ser máscara teatral, ou por tédio divino? Ou nos poemas em forma de diálogo, em que precisamos perceber quando duas pessoas falariam desse modo para entendermos do que se trata. Em resumo, obras que se abrem e convidam o leitor a interferir, a passar por elas como por quadros numa galeria de variedades (Mussorgsky?) e por uma relação de leitura que não relaciona tempo e tamanho. Tal como nas brevíssimas composições dodecafônicas de Anton Webern (algumas não chegam a durar nem um minuto), a leitura desses epigramas exige um leitor paciente, que se envolva com eles: a pressa pragmática cotidiana aqui é o veneno da monotonia, que arrisca tornar os poemas aparentemente vazios ou sem sentido.A poética de Calímaco Vejamos esta passagem famosa da sua “Resposta aos Telquines”, um fragmento que pertenceria aos Aítia (Causas), que pode ser um resumo da poética: Pois na primeira vez que pus as tabuletas no joelho, o Lício Apolo me falou: “Ah, meu aedo amado, engorde só o incenso, mas à Musa mantenha sempre fina. E por isso lhe ordeno: onde não passa carro, por lá prossiga, não conduza nunca25I N TRO D UÇÃO| 15em rastro alheio e estrada larga, por caminhos intactos siga a senda mais estreita”. (frag. 1, Pfeiffer, vv. 21-8) Nesse trecho imitado por Virgílio nas Bucólicas e Propércio nas Elegias, vemos o poeta receber uma advertência do próprio deus da poesia, no momento em que vai escrever pela primeira vez. Já é de se notar que o poeta não menciona a performance como momento fundamental, mas a escrita ainda solitária – uma mudança nas práticas de escrita que teve influência enorme em seus resultados –; assim, o deus anui que se engorde o gado, mas não a Musa; esta – sendo a poesia – deve ser fina, magra, leve. O centro da discussão está entre o gosto popular pela épica tradicional – imitação diluída de Homero em poemas grandes que passam longe de ser grandes poemas – e uma poética minuciosa, de poucas palavras, que busca a trilha do novo e renega os espaços já muito trilhados. Famoso entre nós é o adágio ad augusta per angusta; pois bem, ele vem da poética de Calímaco. Compare-se o trecho anterior com o epigrama VIII:Breve é o discurso, ó Dioniso, do poeta eloquente: se diz “Venci!”, foi longo; porém se alguém pergunta a quem não inspiraste, “Como é que foi?”, responde “Foi bem mal”. Mas que essa seja a frase só dos mais injustos, e a mim, senhor, o microssilabar! Aqui o anseio pela concisão beira o absurdo: “Venci” já é dizer demais, no caso do poeta eloquente. O próprio Calímaco desejará para si o microssilabar (um neologismo em grego, que verti por outro em português), até as sílabas serão breves, poesia do não, poesia do mínimo. A isso soma-se aquele empenho interpretativo que já comentei quanto à poética do epigrama: diante deste epigrama VIII, poderíamos pensar em que momento alguém falaria isso, para então supormos que se trate de um momento de vitória numa disputa teatral, já que sabemos que Calímaco escreveu os três tipos de drama grego (tragédia, comédia e drama satírico). Nesse caso, sua comemoração se dá pelo mínimo de16 | C OL E ÇÃOC L Á S S ICApalavras, tal como sua poética; aqui vida e obra podem se unir numa defesa da concisão, enquanto no fragmento anterior vemos a diferença no trato do gado e da poesia. Um último trecho, que encerra seu “Hino a Apolo” (vv. 105-13): Inveja então sussurra ao ouvido de Apolo: “Não amo o aedo que não canta quanto o mar”. Mas Febo afasta Inveja aos chutes, e lhe diz: “Grande é o fluxo do rio Assírio, porém muito lixo e limo da terra carrega nas águas. Melissas não dão água a Deo de todo canto, mas a corrente pura e límpida se eleva da fonte sacra, gota a gota, só finura”. Salve senhor! E Momo, que acompanhe a Inveja. A inveja lança seus ataques contra o aedo da poesia menor; ela recusa a poesia que não se busca ampla como o mar (a comparação entre águas e poéticas é tradicional: Homero é o mar); porém vemos que o próprio Febo Apolo reaparece explicando como funcionam essas águas: os grandes rios levam muito lodo, são águas sujas (tema que será imitado por Horácio, nas Odes IV, 2); em contraponto às melissas, que em grego são tanto as sacerdotisas de Ártemis, irmã de Apolo, quanto as abelhas; as melissas levam água pura, pouco a pouco. Por fim, vemos a imagem de um olho d’água que brota gota a gota: uma poética de destilações.Esta edição Até onde tenho conhecimento, esta é a primeira tradução completa dos Epigramas de Calímaco em língua portuguesa. Como disse, há muitas traduções esparsas, com mais notas e interesse acadêmico. No meu caso, apesar de ser professor de latim e, eventualmente, de grego na UFPR, quero fazer aqui um diálogo poético, que faz uso da filologia apenas para produzir poesia,
Search
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x